GRÊMIO PAGA CARO PELA ‘DITADURA DO RESULTADO’

Data:

Desafio negado

Quando se vence é o suprassumo da perfeição e todo o resto é apenas resto! Ledo engano. Mais difícil que se chegar ao topo é manter-se nele. Eis o desafio negado pelo Grêmio. Mesmo envergando o escudo de Tri da América, algumas medidas eram imprescindíveis. Cadê os reforços para a zaga, laterais e camisa 9? Por que alguns atletas de reconhecida incapacidade técnica ainda integram o grupo? Nesta linha: alguém tem dúvidas que Bressan jamais teve estofo profissional pra envergar a camiseta mais vitoriosa do Sul do Brasil?

Resumo da ópera

Ah, mas Bressan jogou a final da Libertadores ano passado contra o Lanús e teve uma jornada segura. Tem traços de liderança, ganhou destaque por provocar publicamente o rival e teve até o contrato renovado. É um atleta raçudo, com brio, entrega e irresignação: a cara do Grêmio! E o principal: tem a confiança do Treinador-Mito. Com o perdão do simplismo, o Grêmio pagou caro pela ditadura do resultado…

Cronista eterno

Renato teimou, insistiu, negou a obviedade e prestou homenagem à memória do saudoso cronista Cláudio Cabral. Polêmico e frasista incomparável, ele dizia mais ou menos assim: “Jogador ruim no elenco é um perigo. Uma hora ele vai jogar”.

VAR e a omissão

Afinal, qual é a finalidade do VAR? O erro de arbitragem é sempre revoltante e tira o brilho dos vitoriosos. Ainda mais quando se tem à disposição uma tecnologia escalada para amenizar as injustiças. A eliminação do Grêmio infelizmente passou pelo apito. Todavia, por que os jogadores, logo após o gol de Borré, não pressionaram acintosamente a arbitragem? Reposta: porque dentro de campo ninguém viu.

Mão do treinador

Em Buenos Aires e em Porto Alegre Renato foi perfeito. Na estratégia, na manutenção tática do 4-1-4-1 e nas substituições. A titularidade de Paulo Miranda, na vaga de Kannemann igualmente foi acerto, mesmo com a necessidade de inverter o lado de Geromel. Maldita sejam as cãibras de PM.

Cobertor curto

Futebol se ganha, se perde ou se empata é no meio-campo. E inegável que a troca de Maicon por Éverton fragilizou o meio. Todavia, o capitão, estafado, pediu pra sair. Cebolinha era a chance de liquidar o duelo, o que quase ocorreu, não fosse a conclusão imprecisa do camisa 11, atrelada aos méritos de Armani.

Xadrez

Sem Maicon, o jovem Jean Pyerre poderia ser alternativa pra lacuna deixada por Luan e a volta ao modelo vitorioso dos últimos tempos no 4-2-3-1. Entretanto, Renato optou pela experiência. Não vejo falha! Futebol é jogo de xadrez e requer tomada de decisão. Sinceramente, não vejo erro do comandante. Começar com Alisson, na vaga de Éverton foi outro acerto. O atacante da seleção estava visivelmente desembocado.

Castigo

O Grêmio foi bravo e organizado nos dois jogos da semifinal. Entretanto, o time de Renato jogou futebol durante míseros momentos em 180 minutos. A estratégia adotada foi a possível, ancorada nos verbos resistir, suportar e suar. O time jogou com a corda esticada. Esfacelado, improvisado, escalado de maneira emergencial. Pelas jornadas corretas do ponto de vista defensivo, a eliminação no apagar das luzes não deixa de ser um duro castigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar

Mais lidas

Continue Lendo
Relacionados

Produtora de NFTs se torna mais nova parceira de gigante da NFL

Gigante na produção de NFTs e ativações no mercado...

Golpe de Criptomoeda da Copa do Mundo 2022 derrete 70%; Veja o prejuízo

A pouco menos de 100 dias para o início...

Uniforme de Equipe de Rugby ganha patrocínio de Jogo NFT

Nos dias de hoje, é mais do que comum...

Esportes já receberam bolada em investimentos da Web3; Veja o valor bilionário

Já a mais de dois anos, os ativos digitais...