O que o Espiritismo e a Ecologia têm em comum?

Data:

Você vai se surpreender com as muitas afinidades existentes entre essas duas áreas do conhecimento que surgem na mesma região do planeta há aproximadamente 150 anos, e que hoje despertam interesse e curiosidade crescentes.

Espíritas e ecologistas utilizam a visão sistêmica para defender a biodiversidade, o uso sustentável dos recursos naturais, o consumo consciente, a primazia dos projetos coletivos em detrimento do individualismo. São tantas as afinidades, que certas obras espíritas poderiam perfeitamente embasar alguns postulados ecológicos.

Neste início do século 21, em que a Humanidade enfrenta o esgotamento acelerado dos recursos naturais do planeta num ritmo sem precedentes na História, 21 autores de renomado prestígio nos meios em que atuam foram desafiados a explicar de forma clara e objetiva como a questão ambiental se insere nas suas respectivas áreas de conhecimento.

Num cenário de crise ambiental sem precedentes, cultivada nas entranhas de um modelo de desenvolvimento que vem exaurindo numa velocidade assustadora os recursos naturais do planeta, com impactos negativos sobre a qualidade de vida da população é preciso sinalizar rumo e perspectiva, dar visibilidade s soluções sustentáveis que fertilizam o campo das idéias para a semeadura de um novo projeto de civilização.

Alguns dos principais temas da atualidade: aquecimento global, água, biodiversidade, consumo irracional dos recursos naturais, lixo, energia, meio ambiente nas cidades aparecem em lugar de destaque, com a preciosa colaboração de especialistas convidados pelo autor para comentar os assuntos abordados.

Com coordenação de Andre Trigueiro, o surpreendente resultado está no livro Meio Ambiente no Século 21, à venda no site da Livraria Cultura, contém prefácio da ex-Ministra Marina Silva e um glossário com verbetes que traduzem o “ecologês” para o grande público.

Depois de 17 mil exemplares vendidos, saiu a 4ª edição do livro “Meio ambiente no século 21”, pela editora Autores Associados. 21 autores de renomado prestígio nos meios em que atuam, foram desafiados a explicar de forma clara e objetiva como a questão ambiental se insere em suas respectivas áreas de conhecimento.

“Meio ambiente é uma daquelas expressões que, embora bastante conhecidas, não costumam ser definidas com clareza. Neste caso a clareza não é mero preciosismo. Em se tratando de um assunto que vem conquistando cada vez mais espaço e prestígio no mundo moderno, é urgente que todos possamos perceber a ordem de grandeza em que se situa hoje a questão ambiental e, talvez surpreendidos, nos darmos conta de como isso nos alcança de forma profunda, visceral.

Um erro bastante comum é confundir meio ambiente com fauna e flora, como se fossem sinônimos. É grave também a constatação de que a maioria dos brasileiros não se percebe como parte do meio ambiente, normalmente entendido como algo de fora, que não nos inclui. A expansão da consciência ambiental se dá na exata proporção em que percebemos meio ambiente como algo que começa dentro de cada um de nós, alcançando tudo o que nos cerca e as relações que estabelecemos com o universo. Trata-se de um assunto tão rico e vasto que suas ramificações atingem de forma transversal todas as áreas do conhecimento.

A pretensão do livro Meio ambiente no século 21 é oferecer as ferramentas necessárias para que pessoas de diferentes faixas etárias, níveis de instrução e de interesse sobre o assunto possam ampliar a sua consciência ambiental e a sua participação cidadã. Neste início do século 21, em que a Humanidade enfrenta o esgotamento acelerado dos recursos naturais do planeta num ritmo sem precedentes na História, reunimos 21 textos inéditos de autores que foram desafiados a explicar de forma clara e objetiva como a questão ambiental se insere nas suas respectivas áreas de conhecimento e nos meios em que atuam. Os textos constituem um todo articulado em função do objetivo central do livro, mas não foram concebidos a partir de uma mesma forma de apresentação. Cada um deles traz uma feição própria, refletindo a maneira como cada autor escolheu abordar o tema que lhe foi atribuído. E, apesar de comporem um mosaico, os 21 textos são autônomos, o que permite que sua leitura se faça sem a obrigatoriedade de uma seriação.

Os capítulos são assinados por Fritjof Capra, Leonardo Boff, Gilberto Gil, Samyra Crespo, André Trigueiro, Sérgio Besserman, Rubens Harry Born, Fernando Almeida, Fábio Feldmann, Ibsen de Gusmão Câmara, José Goldemberg, Eduardo Viola, José Eli da Veiga, Alfredo Sirkis, Carlos Minc, Moacyr Duarte, José Carlos Carvalho, Fernando Gabeira, Renato Nalini, Aspásia Camargo e Washington Novaes.

A reincidência de temas em capítulos diferentes pode ser uma das pistas para se entender o caráter multidisciplinar e transversal dos assuntos ambientais. Neste caleidoscópio de idéias e visões de mundo, é interessante observar um outro aspecto presente nos textos de todos os autores: o convite à reflexão sobre os rumos do desenvolvimento e a necessidade de se buscar com coragem e determinação um novo modelo de civilização.

O livro é, portanto, propositivo. Ao mesmo tempo em que denuncia e alerta, sinaliza com clareza os caminhos para que possamos alcançar a utopia da sustentabilidade num mundo complexo e dinâmico. É importante ressaltar que os textos reúnem um precioso estoque de informações que embasam diagnósticos invariavelmente preocupantes, mas vai-se além. É flagrante o envolvimento espiritual dos autores com os temas, a forma muitas vezes contundente com que enfrentam as questões propostas em cada capítulo e a coerência de suas trajetórias: a contribuição no campo das idéias encontra respaldo na realidade concreta das atitudes que marcam suas biografias.

Atitude que se manifesta também na cessão dos direitos autorais deste livro: todos os autores indicaram uma organização não-governamental ou projeto ligado à área da sustentabilidade para receber a parte que lhes caberia na venda do livro. Dentre os nomes apontados, o Instituto Socioambiental foi o que recebeu o maior número de indicações, e a ele serão encaminhados os pagamentos referentes aos direitos autorais desta edição.

É óbvio que os 21 temas reunidos neste livro não encerram em si o universo da transversalidade, mas todos os capítulos abordam questões estratégicas, recorrentes nos grandes debates da atualidade e de valor inestimável na compreensão dos problemas que pautam a agenda da humanidade neste início de milênio.

Esse entendimento mais amplo do que seja meio ambiente nos revela um universo apaixonante onde tudo está conectado, cada pequena parte constitui o todo e o conhecimento não é estanque. A percepção dessa visão ambiental mais abrangente, nos insere num movimento virtuoso de construção da cidadania no seu sentido superlativo: a cidadania ecológica planetária, tão necessária e bem-vinda no século 21.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar

Mais lidas

Continue Lendo
Relacionados

FIFA; NFTs estarão presentes no maior game de futebol do mundo?

Uma das maiores franquias de Videogames do mundo, o...

Atletas têm prejuízo milionário com Criptomoedas

Desde a popularização e o "boom" das Criptomoedas, muitos...

Barcelona planeja lançar próprias NFTs e Criptomoedas

Um dos maiores clubes do mundo, que já ostentou...

Time americano aceita Bitcoins como forma de pagamento

O Oakland Athletics, é uma das equipes mais tradicionais...